TRIBO GAMER AWARDS 2014 - 16 à 31 Dez - Vote nos melhores do ano

Conheça os 10 melhores MMORPGs de 2013

Geral > ArtigosPor: Alves_TR em 08 Out, 2013 - 17:12
Muitos MMORPGs se destacaram em 2013, seja por qualidade ou inovação, esquentando o gênero que já conquistou fãs em todo o mundo. Nossa lista traz desde clássicos como Ragnarok, voltando à vida em uma versão 3D, até jogos como TERA, que passou por reformas para se adaptar ao mercado crescente de jogos gratuitos. Com isso em mente veja o top 10 dos MMORPGs que foram lançados ou se tornaram gratuitos em 2013.

Imagem
Tera Online passou a ser gratuito em 2013


Dungeons & Dragons: Neverwinter

Neverwinter foi lançado oficialmente no dia 20 de junho, com a promessa de ser uma versão nova, melhorada e repaginada do antigo – e ainda ativo – Dungeons & Dragons Online. A promessa, infelizmente, não foi comprida.

O jogo não é ruim, mas também não é incrível. A impressão é que a equipe de desenvolvimento da Cryptic Studios apoiou-se completamente no efeito “você estará jogando na cidade de Neverwinter, em Forgotten Realms, no ambiente do RPG que você tanto gosta” e se esqueceu de realmente inovar no game.

Imagem

Os gráficos são bonitos e o jogo realmente coloca o jogador no ambiente típico e familiar de uma campanha de D&D, com zumbis e missões por todos os lados. Neverwinter oferece ainda onze raças – sendo três delas (Menzoberranzan Renegade, Moon Elf e Sun Elf) disponíveis apenas quem comprar os pacotes especiais – e cinco classes: Control Wizard, Devoted Cleric, Guardian Fighter, Great Weapon Fighter e Trickster Rogue.

Uma particularidade excepcional, entretanto, é a chamada Foundry. Através desta ferramenta, qualquer jogador de nível quinze ou mais pode criar dungeons e quests que, após terminadas, são liberadas para o resto do público. Com poucas novidades para o gênero, Neverwinter não se destaca, mas é válido para fãs de D&D.





Dragon's Prophet

Dragon's Prophet, dos mesmos criadores de Runes of Magic, se passa no mundo Auratia, povoado por dragões dos mais variados tipos e formas. O jogador pode escolher dentre quatro classes – Guardians, Rangers, Oracles e Sorcerers – e capturar mais de trezentos dragões, que podem ser usados como montaria e parceiros de combate, e irão definir o “Dragon Destiny” de seu personagem, moldando o rumo que sua história tomará.

Os gráficos são bonitos, mas trazem nada de realmente novo. O combate mistura o sistema de combos e ação de outros jogos com a clássica mira-automática da maioria dos MMOs, permitindo que o jogador tenha uma experiência de combate mais realista e ao mesmo tempo simples.

Imagem

Dragon's Prophet conta também um sistema interessante de guildas e de construção: líderes de Guildas podem criar pequenos reinos, com civis e milícias. Jogadores, entretanto, não precisam ser parte ou líderes de uma guilda para construírem casas, tendo total liberdade para criar e decorar as estruturas como bem entenderem.





Path of Exile

Path of Exile é um MMORPG de ação baseado em um universo medieval de fantasia sombria. Foi desenvolvido por uma equipe independente da Nova Zelândia, e é em muito parecido com Diablo: tanto no estilo gráfico – o clássico 2.5 D, como em ambientação e na câmera fixa. O jogo possui seis classes que são, infelizmente, gender-locked – significando que você não pode escolher o sexo do seu personagem.

Imagem

A história de Path of Exile é interessante, colocando o personagem como um exilado de sua terra natal, enviado para Wraeclast, um continente reservado para as párias sociais que o resto do mundo simplesmente não quer.

Um destaque do jogo é seu sistema de habilidades, divididas em dois tipos: passivas e ativas. Habilidades ativas são desenvolvidas livremente por todas as classes, tendo que ser encontradas dentro do jogo na forma de Gems que devem ser alocadas em armas ou armaduras. Todas as classes têm acesso a mesma arvore de 1,350 habilidades passivas, podendo alocar pontos nela quando passam de nível.





Ragnarok Online 2

O jogo foi lançado oficialmente em maio de 2013 e conta com uma série de diferenças em relação ao primeiro Ragnarok – jogadores que esperam encontrar apenas uma versão tridimensional do jogo original serão severamente desapontados. Para começo de conversa, Alquimista e Ferreiro não são mais classes – eles foram movidos para a coluna de ‘Jobs’ na criação de personagem, que também conta com Chef e Artisan. As classes, fora isso, continuam as mesmas: Swordman, Magician, Archer, Thief e Acolyte – cada uma delas com dois tipos de evolução. Há também uma raça nova, chamada Noel, que possui classes específicas.

Imagem

Os sistemas de cartas e de pets também mudaram. Cartas agora são equipadas diretamente no seu personagem, e podem ser conseguidas tanto de monstros quanto mesclando cartas diferentes em um NPC para conseguir uma versão mais forte. Além disso, para conquistar um monstro como Pet, agora é necessário coletar seu DNA.





Salem

Salem é um jogo diferente, quase que completamente baseado em sistemas de crafting. Nele, você toma o papel de um peregrino recém-chegado em uma versão gótica e estranha do Novo Mundo. Estilo sandbox, o jogo te dá muitas opções com relação ao que fazer, quando fazer, e porque fazer. A única cidade originalmente desenvolvida dentro do jogo é Boston, e todas além dela foram criadas por jogadores.

Imagem

Outro aspecto interessante de Salem é o conceito de permadeath – se você morrer, você morre de vez. Sem segundas chances, sem revives, sem nada. Apesar de ser um detalhe controverso, o consenso geral é que funciona bem dentro do universo do game, obrigando os jogadores a encontrarem a força nos números, viajando em suas jornadas de descoberta sempre em companhia de outros.

O jogo é leve, com gráficos bastante únicos, revelando um design pitoresco que pode até afastar alguns jogadores. Entretanto, a pouca diversidade visual é compensada pela grande liberdade que o jogo proporciona. O sistema de criação de itens e cenários incentiva o trabalho em grupo e a exploração do mundo em contínua expansão. Uma alternativa bastante diferente da usual e uma boa opção para quem quer experimentar um MMO diferente do que normalmente se encontra por aí.





Marvel Heroes

Pense no melhor que o gameplay de Diablo tem a oferecer. Agora troque o cenário sombrio por uma série de fases coloridas , típicas do que se esperaria de um jogo de super-heróis e as classes que você conhece por heróis igualmente conhecidos…. E aí está. Marvel Heroes em três linhas.

Imagem

O jogo foi oficialmente lançado em junho, e contava com poucos heróis – mas muitos outros já foram acrescentados e os desenvolvedores prometer mais e mais deles. O combate é ágil e extremamente simples, sem complicações desnecessárias. As dublagens foram muito bem feitas e a história é agradável, sendo apresentada através de mensagens que aparecem na tela – a maioria delas narrada por agentes da S.H.I.E.L.D, como se você as estivesse escutando em seu comunicador.

Marvel Heroes atende ao propósito a que veio, criando um jogo que é mais fonte de relaxamento do que desafio e apelando a todos os fãs de super-heróis. Um detalhe importante – e bom – é que você pode também alterar os uniformes de seus personagens. Prefere o Wolverine em seu uniforme preto da Força X? É só conquistar a roupa no jogo e trocar.





Rift

Rift tornou-se gratuito no dia 12 de junho e, com isso, conquistou rapidamente uma base de jogadores ainda maior do que tinha antes. O jogo chama a atenção por sua abordagem low-fantasy, que difere bastante do que é esperado em jogos do gênero.


Imagem

Em Rift os jogadores podem escolher entre duas facções: Guardians ou Defiants e ainda que a criação e customização de personagens seja bastante limitada – você tem apenas três raças por facção, Rift compensa com o sistema de classes, chamadas de Souls. Durante o tutorial – simples, fácil, rápido e informativo – o jogador é levado a escolher três. O tutorial sugere algumas que possuem sinergia entre si, mas a escolha é livre. Cada Soul representa uma árvore de talentos responsável por habilidades e características. Seguindo esse sistema, Rift permite de forma funcional que os jogadores criem seus personagens da forma que preferirem.

Com a enorme quantidade de combinações possíveis, não há limites. Entretanto, para os jogadores iniciantes e que não se sentem confortáveis escolhendo as próprias habilidades antes de estarem confiantes, o jogo oferece a possibilidade de seus pontos serem distribuídos automaticamente.





Age of Wushu

Age of Wushu é facilmente definido por uma palavra: inovação. O jogo, um action MMORPG desenvolvido na China, foi oficialmente lançado 18 de julho e já conta com uma grande base de jogadores.

Imagem

Em Age of Wushu o jogador é colocado no papel de um artista marcial iniciante e é livre para fazer o que quiser. A ideia de liberdade na evolução do personagem é levada a sério. Não existem níveis nem classes e se você quiser ignorar completamente o aspecto marcial e focar-se na simples vida de um ferreiro, a escolha é total e completamente sua. Baseado em uma China histórica, o jogo tem grande foco em roleplay, história e interpretação, mas não deixa de lado aspectos clássicos do gênero como PVP e quests.

O jogo é cheio de pequenos e grandes detalhes que o transformam em algo completamente novo na cena de MMOs, mas os destaques são seu sistema de progressão off-line, no qual seu personagem se torna um NPC enquanto você não estiver jogando, e um sistema de encontros randômicos, que faz com que nenhuma quest se repita.





Wizardry Online

Wizardry Online é um daqueles jogos que te assusta antes mesmo de logar. A primeira coisa que se vê quando se abre o site é o aviso: “Wizardry Online é o MMO de fantasia mais hardcore já criado. O nível de dificuldade é insano”. O jogo é gratuito e extremamente bem feito em seus detalhes. Porém a perspectiva de morte permanente é assustadora – principalmente em um mundo como o de Wizardry, em que o PvP é aberto para todos, o tempo todo. Mas não é tão simples assim.

Quando você morre, você assume a “forma de alma” e precisa vagar até as Guardians Statues para reviver. O problema é que pelo caminho você encontrará monstros, que a cada golpe acertado em seu personagem, diminuem sua chance de reviver em 10%. Então, o conselho é simples: se você morreu, corra até a Guardian Statue mais próxima o mais rápido possível e evite os fantasmas.

Imagem

Outro detalhes que evita que todos os jogadores saiam se matando pelo mundo é o sistema de crimes. Matar jogadores ou roubar pertences de seus corpos pode levá-lo para a cadeia ou pior. Existe também a chance de jogadores tornarem-se alvos de mercenários ao terem prêmios oferecidos por suas cabeças. E os mercenários são outros jogadores, que irão caçá-lo pela recompensa.

O jogo conta com cinco raças: Anões, Elfos, Gnomos, Humanos e Porkul. Cada uma delas possui atributos diferentes e o próprio jogo se encarrega de avisar se uma combinação de raça/classe é uma boa ideia. As classes são Fighter, Thief, Priest e Mage. Nada de muito excepcional nesse ponto. Infelizmente o jogo ainda não está disponível para o Brasil.





TERA

TERA (The Exiled Realm of Arborea) foi chegou ao mercado em maio de 2012, mas teve seu lançamento oficial como jogo grátis em fevereiro de 2013. O jogo chama a atenção por seu design inovador e bonito, sendo facilmente um dos MMOs mais bem feitos até hoje. As sete raças disponíveis são diferentes do padrão e trazem a sensação de estar jogando algo novo, e não só mais um game genérico de fantasia medieval.

Outro aspecto importante de TERA é o sistema de combate, no qual jogadores precisam não só mirar manualmente seus golpes, como também encaixar combos nos momentos exatos e mover-se para esquivar, aparar ou bloquear golpes em tempo real. Em TERA, você pode ser obrigado a matar quinze de um mesmo monstro para concluir sua quest – mas cada um dos confrontos é percebido como diferente, obrigando o jogador a prestar atenção e estar sempre disposto a improvisar.

Imagem

As classes – Archer, Berserker, Lancer, Slayer, Mystic, Priest, Warrior e Sorcerer – possuem níveis de dificuldade diferentes indicados em sua seleção e não caem na mesmice típica do jogos do gênero, mantendo estilos de combate bastante diferenciados em todas elas: jogar com um Berseker e um Slayer são experiências distintas, apesar de ambas serem classes de dano corpo a corpo.

TERA também permite que o jogador teste uma classe antes de escolhê-la definitivamentre. Neste momento, chamado de “prólogo”, o jogador controla um personagem de nível 20 e com habilidades e equipamentos apropriados. Quanto o prólogo termina, ele é direcionado para a área inicial com um personagem comum de nível um.

Apesar do pagamento não ser obrigatório, jogadores que não pagam a mensalidade e/ou não compraram o jogo tem algumas penalidades severas, como espaço do inventário drasticamente reduzido, menos experiência, menos prêmios ao terminar dungeons, menos dungeons liberadas, entre outras coisas.



Fonte: Techtudo | 36 Comentários | 6687 Visualizações | +5

Veja Mais

Comentários

Negrito Itálico Underline Smiles
1000
leandrinmiller | 16/10/2013 (09:37)
nunca gostei de mmorpg, mas o Lineage2 mudou minha vida e sou fiel ao jogo já tem 8 anos,e tbm o cabal joguei por 3 anos.
Avatar de usuário
Henry Master | 12/10/2013 (09:20)
Citação: TatiAkira
Tera é muito bom, melhor MMORPG free que ja joguei.


Concordo!! *_*

Avatar de usuário
dariodomal | 11/10/2013 (11:32)
Que isso, fique na esperança de ver no final da lista o AION! Melhor jogo de MMORPG Que eu já joguei na vida, agora que esta Free, e tem um tempinho já, as atualizações são constantes. E agora foi implementado mais 3 classes novas que são classes SURREAIS. Joguei durante 9 anos mas infelizmente parei. Deixarei o gameplay aqui.

http://youtu.be/gE0VTG_CsF8 < Mostrando as classes

http://www.youtube.com/watch?v=uiT_EMV1oE < PvP do melhor Sorcerer do jogo.

Avatar de usuário
xandjam | 11/10/2013 (05:30)
Marvel Heroes, estou altamente viciado... Sei não esta uma maravilha, ma é praticamente um beta e esta melhorando a cada patch e adição de heroi novo... Recomendo pra quem gosta do estilo action rpg do Diablo e gosta do univeso Marvel...
francisdiogo | 10/10/2013 (23:25)
Para quem nunca viu falar no RF

http://www.youtube.com/watch?v=lWpAtDhFvZY

http://www.youtube.com/watch?v=QCuKTuxflBQ

francisdiogo | 10/10/2013 (23:10)
Sem duvida o RF era uns dos melhores ou o melhor , tambem não achei mmorpg com a mesma jogabilidade e PVP igual quem não teve a oportunidade de jogar nunca vai saber como é um mmorpg de verdade , esses que estão ai na minha opinião são voltados para crianças e jogabilidade horrivel mas tem gosto para tudo.
Avatar de usuário
shinook | 10/10/2013 (18:41)
[quote=francisdiogoSaudades do RF o melhor de todos...[/quote]
Rapaz, concordo com você, eu joguei muito R.F., tinha um acreciano com o nome de Furious Damage, ele era um Demolidor Destruidor. Me dediquei muito, tinha os melhores equipes para este personagem até a Lvel Up entrar com o sistema de cash e praticamente acabar com o game... Acabei que vendi o meu personagem por R$ 600,00 que, naquela época, era um ótimo dinheiro. Depois joguei muitos outros MMOs mas, em minha opinião, nenhum me deu tanta emoção quanto RF Online...

francisdiogo | 10/10/2013 (02:57)
Saudades do RF o melhor de todos mas o descaso da level up acabou com o jogo, PVP do jogo era fantastico e a jogabilidade é incrivel as gulidas as guerras entre bellatos , acrecianos e cora, o sonho de todo mundo era se tonar arconde o fazer parte do conselho enfim saudades das amizades feitas no jogo.
Avatar de usuário
-kilua- | 09/10/2013 (22:18)
kkkk entao faltou o mais "gratuito" de todos
DC universe online

Avatar de usuário
revolt | 09/10/2013 (21:05)
os karas vem falar de mmo pago , o kara da news falou que era so os gratuitos
Avatar de usuário
TESOURO | 09/10/2013 (20:33)
começei a jogar TERA no nvl 18, porém queria saber se posso ir até o ultimo nivel como quem paga e quanto custa sua mensalidade?
Avatar de usuário
nalkml | 09/10/2013 (19:43)
Tera muito show :D Só parei para zerar alguns jogos off, mas volto depois. O MMORPG com gráficos mais avançados que joguei, tirando a jogabilidade incrível parece estar controlando um ser vivo.